Universidade de Coimbra vence competição europeia sobre Património Natural e Cultural

a Redação

Uma solução de monitorização sobre risco ao patrimônio baseada em dados de satélite gratuito, desenvolvida por uma equipe de pesquisadores do Centro de Estudos de Arqueologia, Artes e Ciências do Patrimônio (CEAACP) da Universidade de Coimbra (UC), em parceria com a Startup Theia, tecnológica incubada no Instituto Pedro Nunes (IPN), foi o projeto vencedor da primeira competição internacional “Copernicus Hackathon Cork” dedicada ao Patrimônio Natural e Cultural.

O evento online, organizado em Cork (Irlanda), decorreu entre 9 e 13 de junho, e o desafio lançado aos participantes, que tinham de se apresentar em equipes até quatro pessoas, consistia em desenvolver soluções para ajudar a gerir, salvaguardar e monitorizar o patrimônio natural e cultural com recurso a dados de satélite dos programas “Copernicus” e “Galileo”.

A equipe de Coimbra, constituída por Ricardo Cabral, Martino Correia, Steffan Davies e Tiago Cordeiro, apresentou a “ARCHER – Heritage Surveillance and Monitoring”, uma solução de monitorização de riscos múltiplos que usa dados de satélite, atualizados semanalmente, para detecção da ação de eventos que poderão pôr em risco o patrimônio, como por exemplo, o abatimento dos solos, deslizamentos, erosão eólica e hídrica, inundações costeiras e fluviais, atividades de natureza antrópica.

“Tendo em conta as previsões atuais da evolução das alterações climáticas, cremos que as ferramentas da plataforma ARCHER serão indispensáveis para monitorizar e proteger o patrimônio com a maior eficácia possível”.

A plataforma ARCHER está a completar o ciclo de testes de demonstração, tendo já sido desenvolvidos projetos-piloto com as Direções Regionais de Cultura do Alentejo e Algarve, adiantam os mentores do projeto.

A vitória alcançada nesta competição assume grande importância. “É o reconhecimento internacional do esforço investido pela equipa numa tecnologia inovadora que pretende contribuir para a proteção do patrimônio. O desenvolvimento de projetos nesta área tecnológica por uma unidade de investigação em Humanidades é verdadeiramente extraordinário na Universidade de Coimbra”, declaram os investigadores.

O prêmio inclui 12 meses de incubação no programa “Copernicus Accelerator” e um vale de subscrição no valor de 1200 euros para acesso ao repositório “OneAtlas” da Airbus.

O “Copernicus” é o Programa Europeu para a Observação da Terra, coordenado e gerido pela Comissão Europeia e pela Agência Espacial Europeia.

Fonte Mundo Lusíada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Chat aberto
Precisa de ajuda ? Entre em contacto.
Ola em que posso ajudar ?