Festival Colombo em Porto Santo este ano com plano de contingência

O Porto Santo volta esta quarta-feira a recordar a passagem do navegador Cristóvão Colombo pela ilha com um Festival Colombo de cinco dias, marcado pelas contingências da pandemia, no qual o Governo da Madeira investiu 145 mil euros.
“Este ano, contudo, tem a particularidade de ter sido preparado um plano de contingência no sentido de estabelecer as medidas preventivas de contágio e infeção por Covid-19”, afirmou a Secretaria Regional do Turismo e cultura, que é responsável pela organização do evento, numa nota enviada à agência Lusa.
O executivo referiu que vai investir mais 10 mil euros do que em 2019 neste programa, inicialmente idealizado para prolongar a permanência dos visitantes na ilha, devido à sazonalidade turística.
Nesta edição participam cerca de uma centena de pessoas.
Por seu turno, o presidente da Câmara do Porto Santo declarou à Lusa que devido à pandemia de covid-19 “o Festival Colombo será feito nos moldes possíveis, sem desembarque, sem cortejo e sem eventos que possam aglomerar pessoas”.
Idalino Vasconcelos destacou que este é “um evento que tem muita procura por turistas regionais, nacionais e estrangeiros, sendo já uma referência no exterior, mas este ano terá menos procura por força das contingências atuais”.
O autarca enfatizou que “todas as recomendações das autoridades de saúde foram tomadas”.
A secretaria do Turismo adiantou que “haverá uma limitação de espaços nos espetáculos na Praça do Barqueiro [centro da cidade], precisamente para salvaguardar a segurança de todos”, concentrando-se neste espaço a maioria das iniciativas ligadas ao evento.
Todos os dias haverá música ambiente, decorações alusivas à época, a ‘praça dos infantes e petizes’ e arruadas cénicas, mas a edição deste ano fica marcada pelo cancelamento da tradicional recriação do desembarque de Cristóvão Colombo da nau Santa Maria e do cortejo que percorria as ruas até ao centro da cidade.
Em substituição, decorre no primeiro dia o “anúncio da chegada de Cristóvão Colombo” e um concerto musical intitulado “Epopeia trágico–marítima”.
No Largo da Palmeira estará representado o artesanato e os produtos regionais, enquanto na alameda da cidade será a “praça dos jogos medievais” e na Casa-Museu Cristóvão Colombo haverá uma exposição denominada “Depois de Colombo”, da autoria do artista Ricardo Veloza.
Serão recordados no evento os “ataques dos piratas às gentes do Porto Santo” e “as bodas de Cristóvão Colombo e Filipa Moniz”, filha do descobridor Bartolomeu Perestrelo, o primeiro capitão donatário da ilha.
A mostra organizada pela Direção Regional do Arquivo e Biblioteca lembra que “a História do Porto Santo está cheia de episódios marcantes, um dos quais foi o violento ataque de corsários argelinos em 1617”, pelo que se convida as famílias “a participar numa sessão interativa, na qual se irá reconstituir aquele evento de forma lúdica”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Chat aberto
Precisa de ajuda ? Entre em contacto.
Ola em que posso ajudar ?